Tel: +55 (51) 3265-1717

Fonte: CBVela

O futuro da vela brasileira começa a sair do papel e entrar na água. Com 14 jovens velejadores, a delegação do país disputa o Mundial da Juventude, em Auckland, na Nova Zelândia, em competição marcada para o período de 14 a 20 de dezembro, nas classes RS:X (masc. e fem.), 420 (masc. e fem.), Laser Radial (masc. e fem.), 29er (masc. e fem.) e Nacra 15 (aberta para duplas masculinas, femininas ou mistas). As primeiras regatas estão previstas para o próximo dia 16 — por causa do fuso horário, no horário de Brasília a competição começa na madrugada de quinta para sexta-feira.

“Vamos para o campeonato com uma equipe cheia de gás. A vela é um esporte de carreira longa para o atleta. Então, nosso foco principal, mais do que o resultado em si, é dar a esses velejadores experiência com barcos que servem de base para as classes olímpicas, num ambiente de competição internacional de alto nível”, diz Alexandre Saldanha, o Spanto, que chefiará a delegação brasileira e foi técnico de Robert Scheidt nos Jogos Rio 2016.

O Brasil estará representado em todas as classes, com oito velejadores e seis velejadoras. No Mundial da Juventude de 2015, o país conquistou duas medalhas: prata, com Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz (420 masculino); e bronze com Brenno Francioli (RS:X masculino). A vela brasileira tem um histórico de sucesso no Mundial da Juventude, incluindo os ouros de Robert Scheidt (1991), Martine Grael e Kahena Kunze (2009), atletas que depois se tornariam medalhistas em Jogos Olímpicos.

 

Os velejadores do Brasil no Mundial da Juventude 2016

Nome

Idade

Classe

Lucas Cazale Bonioli Cardoso

16

29er

Lucas Bethlem Mirow

17

29er

Gustavo Luis Ribeiro Abdulklech

17

420

Pietro Motta Geronimi

17

420

Natascha dos Santos Böddener

18

Laser Radial

Daniel Rocha Pereira

17

RSX

Carlos Eduardo Lins Monteiro Lopes

15

Nacra

Rafael Melo Rizzato

17

Nacra

Joao Emilio Mendes de Vasconcellos

16

Laser Radial

Helena Van Swaay De Marchi

17

29er

Nicole Schiavo Buuck

16

29er

Olivia Belda

16

420

Marina Mariutti Carioba Arndt

15

420

Larissa Ricci Schenker

16

RSX

 

 

MEDALHAS DO BRASIL NO MUNDIAL DA JUVENTUDE

 

MUNDIAL

VELEJADOR

CLASSE

MEDALHA

Largs, na Escócia (1991)

Robert Scheidt

Laser

OURO

Marathon, na Grécia (1994)

Rodrigo Amado e Leonardo Santos

Laser II

PRATA

Fukuoka, no Japão (1997)

Ricardo Winicki

Mistral

OURO

Cidade do Cabo, na África do Sul (1998)

André Cahú e Victor Luiz de Azevedo

Hobie Cat 16

BRONZE

Ricardo Winicki

Mistral

OURO

Busan, na Coreia do Sul (2005)

Mariana Basílio e Gabriela Biekarck

420 feminina

BRONZE

Weymouth, na Inglaterra (2006)

Bruno Frey e Ricieri Marchi

Hobie Cat 16

PRATA

Marcos Adler e Bruno Faria

420 masculina

BRONZE

Arhus, na Dinamarca (2008)

Patricia Freitas

RS:X feminina

BRONZE

Búzios, no Brasil (2009)

Martine Grael e Kahena Kunze

420 feminina

OURO

Renato Amaral

RS:X masculina

BRONZE

Zadar, na Croácia (2011)

Martin Lowy e Kim Vidal de Andrade

Sirena SL 16

OURO

Dun Laoghaire, na Irlanda (2012)

Menandro Lobão e Kim Vidal de Andrade

Sirena SL 16

BRONZE

Limassol, no Chipre (2013)

Tiago Brito e Andrei Kneipp

420 masculina

OURO

Tavira, em Portugal (2014)

Kim Vidal de Andrade e Antonio Carlos Lopes Neto

Sirena SL 16

BRONZE

Langkawi, na Malásia (2015)

Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz

420 masculina

PRATA

Brenno Francioli

RS:X masculina

BRONZE

 

TOTAL: 6 OUROS / 3 PRATAS / 8 BRONZES = 17

 

SOBRE A CBVELA

A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico do Brasil (COB). Tem o Bradesco como patrocinador oficial, o Grupo Energisa como parceiro oficial e patrocinador oficial da Vela Jovem e a Richards como apoiadora oficial. A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: sete. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 18 medalhas em Jogos Olímpicos.

No último sábado, 10, a Marina Itajaí, em Santa Catarina, foi palco para a recepção da Família Schurmann que retornou da volta ao mundo de 812 dias – a Expedição Oriente. No local, foi montada uma estrutura para receber os tripulantes e contou com a participação de 2,3 mil pessoas, segundo a organização do evento. A chegada do veleiro Kat aconteceu às 15h 25min e foi aplaudida e comemorada por familiares, amigos, imprensa, fãs do esporte e da náutica em evento aberto ao público.

“Foi em Itajaí que nasceu nosso Veleiro Kat e estamos muito felizes em poder retornar. Foram 2 anos e 2 meses em alto mar. Visitamos lugares belíssimos,” disse o capitão Vilfredo Schurmann logo após a sua chegada na Marina Itajaí.

“Itajaí passou a ser nossa casa. Nosso veleiro Aysso já está ancorado aqui e durante o período em que o Kat ficar em Santa Catarina, também ficará na Marina Itajaí,” explica David Schurmann, diretor e produtor cinematográfico, responsável pelo planejamento e desenvolvimento da Expedição Oriente.

Para David Schurmann, a Marina Itajaí também oferece segurança e comodidade aos navegadores. “A Marina Itajaí é exemplo de estrutura com padrão internacional. Os trapiches são perfeitos e seguros, é um local protegido para deixar seu barco. Além disso, está no centro da cidade, o que para os navegadores em geral é algo muito positivo. Foram poucas as estruturas que vimos pelo mundo em que se tem algo parecido de tão fácil acesso para chegar e usufruir das atrações da cidade e seu entorno,” reforça.

Para o diretor operacional da Marina Itajaí, Carlos Oliveira “é uma grande honra receber a Família Schurmann e seu Veleiro Kat. Também é uma grande satisfação para a Marina Itajaí sediar grandes eventos náuticos como este e contribuir para o fortalecimento do polo náutico na cidade. Além da localização estratégica privilegiada, a escolha pela Marina Itajaí também justifica a nossa atenção à qualidade da estrutura e serviços prestados”, conclui.

Polo Náutico do Brasil

A Marina Itajaí consolida o município como Polo Náutico brasileiro, segundo a Secretária de Turismo da cidade catarinense, Valdete Campos. “A Volvo Ocean Race despertou o potencial náutico de lazer em Itajaí. A chegada da Marina Itajaí fortalece essa característica da cidade e consolida o trabalho do município de fortalecer o turismo náutico. Além disso, as pessoas podem visitar a Marina Itajaí, pois ela é aberta ao público. É um lugar que possui um visual incrível, perfeito para lazer e contemplação da paisagem.”

Aventura pelo mar

“Um capitão não faz nada sem uma boa tripulação e se não houver o espírito de equipe. Enfrentamos muita dificuldade, ventos de até 100 km/h e ainda assim todos permaneceram muito firmes,” comentou o capitão Vilfredo Schurmann ao lado da esposa Heloísa Schurmann.

Momentos emocionantes marcaram a Expedição Oriente, como assistir de perto ao espetáculo das baleias na Ilha Moorea, na Polinésia Francesa, as paisagens encantadoras da Antártida e a chegada ao porto da China. A tripulação também se impressionou com a grande quantidade de lixo encontrada em alto mar, especialmente na Ásia e alertaram sobre a necessidade de medidas de proteção ambiental. 

“Procuramos fazer a nossa parte. Dentro do Kat temos uma compactadora de lixo. O que nos permitiu produzir em 18 dias, sendo que estávamos em oito pessoas, um saco de lixo seco. Se cada um fizer um pouco poderemos ter mais esperança ao meio ambiente”, disse um dos tripulantes, Wilhelm Schurmann.

Família inspira outros velejadores

Mídia Silvestrini e Jorge Alberto Silvestrini vieram de Lages, SC, para participar do evento da chegada da Família Schurmann na Marina Itajaí. Após acompanharem a trajetória através da televisão e internet, o casal foi convidado para recepcionar a tripulação com o barco de apoio.

“Mesmo morando em Lages não poderia perder esse momento. Amo a Família Schurmann e tudo o que eles representam. Acompanhamos o processo de construção do Veleiro Kat e, depois disso, acabei me tornando uma das figurantes do filme “O pequeno Segredo”. Os conheci pessoalmente durante um evento náutico realizado aqui em Itajaí. Tinha que estar aqui para recepcioná-los. A emoção e a expectativa para esse encontro é muito grande”, relata  Mídia Silvestrini.

Jorge Alberto Silvestrini além de engenheiro é velejador há 45 anos. “Sofri um naufrágio em 2014. Fiquei 36 horas a deriva. Foi uma experiência intensa e mesmo assim não desisti de navegar. A Família Schurmann serve de inspiração para todos nós pela sua determinação e espírito aventureiro. Através do exemplo deles e da assessoria que estão me dando estou me preparando para daqui há 6 ou 9 anos, viver a bordo de um veleiro”, conta Jorge Alberto.

Mais informações: http://www.expedicaooriente.com.br/

Sobre a Marina Itajaí

Inaugurada em dezembro de 2015, a Marina Itajaí está localizada no centro da cidade catarinense de Itajaí – na Rua Vereador Carlos Ely Castro n° 100, ao lado do Centreventos, - sendo um importante polo náutico, naval, turístico e industrial. A marina oferece atualmente 320 vagas, sendo 155 vagas secas e 165 vagas molhadas que comportam desde pequenas embarcações até iates e veleiros com mais de 120 pés. Modernos equipamentos como Fork Lift para até 12 toneladas e Travel Lift para até 75 toneladas, são um diferencial na sua configuração; ainda há posto de combustível com bandeira BR sendo a única marina no sul do país com Diesel Verana. Possui heliponto exclusivo além de opções de lazer como espaço gastronômico  e amplo estacionamento como parte de sua estrutura.

 Mais informações: www.marinaitajai.com