ptendeites

Mundo Náutico

Scheidt encara novo desafio na 49er e abre possibilidade para sétimo ciclo olímpico

Robert Scheidt é um atleta amador no mais puro conceito da expressão. Ele simplesmente ama velejar. Por isso, aos 43 anos, o bicampeão olímpico vai se aventurar por novos mares. Após o quarto lugar nos Jogos do Rio de Janeiro, ele afastou a possibilidade de aposentadoria e agora se prepara para encarar o desafio da classe 49er, um barco maior, mais veloz e com estratégias diferentes das classes Star e Laser, que o consagraram no mundo do iatismo. A ideia desse recomeço na carreira surgiu a partir do convite de Gabriel Borges. A estreia da nova dupla está marcada para a etapa de Miami da Copa do Mundo, de 22 a 29 de janeiro.

"Muita gente me perguntou por que continuar velejando. A verdade é que eu adoro. Gosto de velejar, de ter um desafio na vida, um objetivo pelo qual lutar. Sempre quero melhorar, conhecer mais a vela, isso me motiva", afirma o maior medalhista do Brasil em Jogos Olímpicos, com cinco pódios. O desafio abre a possibilidade de um novo ciclo olímpico até os Jogos de Tóquio. "Sempre imaginei que a Rio/2016 fosse a minha última. Semanas depois, eu estava sem definição do que iria fazer. Então o Gabriel me ligou perguntando se eu gostaria de testar o 49er. E pensei: "Por que não tentar uma categoria nova? Ainda tenho lenha para queimar e uma nova categoria é uma nova motivação. Vamos em frente e deixar as coisas acontecerem até decidirmos se essa empreitada pode se transformar em ciclo olímpico."

O recomeço no iatismo é encarado com tranquilidade. "Vejo o 49er como um barco interessante e ideia é velejar sem compromisso nenhum. Por enquanto, quero aproveitar o privilégio de fazer o que gosto, sem ambição de ser medalhista olímpico de novo. Até porque tenho uma montanha enorme na minha frente. Não tenho background nesse barco. E você toma muita surra no início. Mas estou gostando e o Gabriel é um excelente proeiro (ele fez dupla com Marco Grael no Rio-2016 e terminou em 11º lugar). O tempo vai mostrar até que nível podemos chegar e o próximo ano é decisivo", afirma Robert, patrocinado pelo Banco do Brasil e Rolex, com os apoios de COB e CBVela.

Sem descanso - Os treinos na nova categoria começaram cerca de um mês após a Rio 2016, na Itália, mais especificamente no Lago di Garda, onde Robert mora com a família. A rotina tem sido exigido muito esforço físico. "As exigências na 49er são diferentes em relação às minhas experiências anteriores. Na Laser, por exemplo, o trabalho é de resistência e alguma força. Agora, as pernas são muito exigidas, pois só se veleja em pé. É preciso velocidade para cruzar o barco. Você apanha muito no começo, mas estou gostando", conta Robert, que convive com tombos, arranhões e apresenta os joelhos constantemente ‘ralados’.

Após a estreia em Miami, a nova dupla pretende participar da Copa Brasil, em Porto Alegre, e, a partir de abril, investir mais tempo em treinamento, desta vez na Europa. Em 2016, porém, Robert voltou a competir após a Rio/2016. Conquistou a medalha de bronze na Star Sailors League (SSL), em Nassau, nas Bahamas, em dezembro. Em seu retorno à classe Star, após dois anos dedicados ao ciclo olímpico na Laser, velejou ao lado Henry Boenning, o Maguila, e subiu ao pódio em uma competição que reuniu os melhores do mundo.

Além da 49er, Scheidt recebeu propostas para navegar em barcos da vela oceânica, para trabalhar como técnico e também cogitou investir na classe Nacra 17, que é mista. Nesse caso, poderia velejar com a esposa, Gintare. Mas ela é da Lituânia, o que significa que não poderiam competir juntos em uma Olimpíada. Com isso, ela não trocara a Laser por um catamarã. "Tem toda a questão do patriotismo. Acho que se ela fizer outra campanha olímpica, faria mais uma de Laser, pois é jovem, tem apenas 34 anos", explica Scheidt. Ele encerrou os treinos de 49er no Rio de Janeiro no dia 22 de dezembro e voltou para a Itália para os festejos de final de ano com a família.

Maior atleta olímpico brasileiro

Cinco medalhas:
Ouro : Atlanta/96 e Atenas/2004 (ambas na classe Laser)
Prata : Sidney/2000 (Laser) e Pequim/2008 (Star)
Bronze : Londres/2012 (Star)

176 títulos - 86 internacionais e 90 nacionais, incluindo a Semana Internacional do Rio, o Campeonato Brasileiro de Laser e a etapa de Miami da Copa do Mundo, todos neste ano.

Laser
Onze títulos mundiais - 1991 (juvenil), 1995, 1996, 1997, 2000, 2001, 2002*, 2004 e 2005 e 2013
*Em 2002, foram realizados, separadamente, o Mundial de Vela da Isaf e o Mundial de Laser, ambos vencidos por Robert Scheidt
Três medalhas olímpicas - ouro em Atlanta/1996 e Atenas/2004, prata em Sydney/2000

Star
Três títulos mundiais - 2007, 2011 e 2012*
*Além de Scheidt e Bruno Prada, só os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode venceram três mundiais velejando juntos, na história da classe
Duas medalhas olímpicas - prata em Pequim/2008 e bronze em Londres/2012

 

 

Novo barco da Schaefer Yachts é testado e aprovado

Fonte: PalavraCom

 

 

Anunciada ao público durante o último São Paulo Boat Show, no início de outubro, o novo barco da Schaefer Yachts – Schaefer 510 – teve seus primeiros testes na última segunda-feira (26.12), ocasião na qual passou com louvor em todas as avaliações. “Tivemos ótima resposta do barco, que atingiu velocidade máxima de 32 nós com dois motores IPS 600”, afirma Márcio Schaefer, presidente do estaleiro.

 

A Schaefer 510 chega para completar a gama das lanchas do estaleiro na faixa entre 50 e 60 pés. A primeira unidade será entregue nos próximos dias a um cliente que considerou ideais as soluções e inovações do produto - único neste perfil, principalmente pelo aproveitamento de espaço e navegabilidade.

 

Com acabamento de alto padrão, seu design acompanha a modernidade comum aos barcos da Schaefer Yachts, com destaque para a suíte a meia-nau, clássico recurso da empresa. Neste barco os clientes têm três opções de layout, incluindo a possibilidade de três suítes. “Sentimos que há uma fatia do mercado das 50 pés que carece de variedade e opções. Este modelo vem suprir isso, com a vantagem de possuir diferenciais encontrados apenas em embarcações de maior porte”, explica Márcio Schaefer, presidente e designer do estaleiro.

 

Características técnicas

Comprimento total (com plataforma): 15,46 m

Boca máxima: 4,32 m

Calado: 1,18 m

Motorização: 2 x IPS 600 ou 2 x IPS 700

Capacidade de água doce: 600 l

Capacidade de combustível: 1.600 l

Deslocamento leve aprox.: 17,5 ton

Designer: Marcio Schaefer

 

Equipe Brasileira de Vela Jovem disputa o Mundial da Juventude

Fonte: CBVela

O futuro da vela brasileira começa a sair do papel e entrar na água. Com 14 jovens velejadores, a delegação do país disputa o Mundial da Juventude, em Auckland, na Nova Zelândia, em competição marcada para o período de 14 a 20 de dezembro, nas classes RS:X (masc. e fem.), 420 (masc. e fem.), Laser Radial (masc. e fem.), 29er (masc. e fem.) e Nacra 15 (aberta para duplas masculinas, femininas ou mistas). As primeiras regatas estão previstas para o próximo dia 16 — por causa do fuso horário, no horário de Brasília a competição começa na madrugada de quinta para sexta-feira.

“Vamos para o campeonato com uma equipe cheia de gás. A vela é um esporte de carreira longa para o atleta. Então, nosso foco principal, mais do que o resultado em si, é dar a esses velejadores experiência com barcos que servem de base para as classes olímpicas, num ambiente de competição internacional de alto nível”, diz Alexandre Saldanha, o Spanto, que chefiará a delegação brasileira e foi técnico de Robert Scheidt nos Jogos Rio 2016.

O Brasil estará representado em todas as classes, com oito velejadores e seis velejadoras. No Mundial da Juventude de 2015, o país conquistou duas medalhas: prata, com Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz (420 masculino); e bronze com Brenno Francioli (RS:X masculino). A vela brasileira tem um histórico de sucesso no Mundial da Juventude, incluindo os ouros de Robert Scheidt (1991), Martine Grael e Kahena Kunze (2009), atletas que depois se tornariam medalhistas em Jogos Olímpicos.

 

Os velejadores do Brasil no Mundial da Juventude 2016

Nome

Idade

Classe

Lucas Cazale Bonioli Cardoso

16

29er

Lucas Bethlem Mirow

17

29er

Gustavo Luis Ribeiro Abdulklech

17

420

Pietro Motta Geronimi

17

420

Natascha dos Santos Böddener

18

Laser Radial

Daniel Rocha Pereira

17

RSX

Carlos Eduardo Lins Monteiro Lopes

15

Nacra

Rafael Melo Rizzato

17

Nacra

Joao Emilio Mendes de Vasconcellos

16

Laser Radial

Helena Van Swaay De Marchi

17

29er

Nicole Schiavo Buuck

16

29er

Olivia Belda

16

420

Marina Mariutti Carioba Arndt

15

420

Larissa Ricci Schenker

16

RSX

 

 

MEDALHAS DO BRASIL NO MUNDIAL DA JUVENTUDE

 

MUNDIAL

VELEJADOR

CLASSE

MEDALHA

Largs, na Escócia (1991)

Robert Scheidt

Laser

OURO

Marathon, na Grécia (1994)

Rodrigo Amado e Leonardo Santos

Laser II

PRATA

Fukuoka, no Japão (1997)

Ricardo Winicki

Mistral

OURO

Cidade do Cabo, na África do Sul (1998)

André Cahú e Victor Luiz de Azevedo

Hobie Cat 16

BRONZE

Ricardo Winicki

Mistral

OURO

Busan, na Coreia do Sul (2005)

Mariana Basílio e Gabriela Biekarck

420 feminina

BRONZE

Weymouth, na Inglaterra (2006)

Bruno Frey e Ricieri Marchi

Hobie Cat 16

PRATA

Marcos Adler e Bruno Faria

420 masculina

BRONZE

Arhus, na Dinamarca (2008)

Patricia Freitas

RS:X feminina

BRONZE

Búzios, no Brasil (2009)

Martine Grael e Kahena Kunze

420 feminina

OURO

Renato Amaral

RS:X masculina

BRONZE

Zadar, na Croácia (2011)

Martin Lowy e Kim Vidal de Andrade

Sirena SL 16

OURO

Dun Laoghaire, na Irlanda (2012)

Menandro Lobão e Kim Vidal de Andrade

Sirena SL 16

BRONZE

Limassol, no Chipre (2013)

Tiago Brito e Andrei Kneipp

420 masculina

OURO

Tavira, em Portugal (2014)

Kim Vidal de Andrade e Antonio Carlos Lopes Neto

Sirena SL 16

BRONZE

Langkawi, na Malásia (2015)

Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz

420 masculina

PRATA

Brenno Francioli

RS:X masculina

BRONZE

 

TOTAL: 6 OUROS / 3 PRATAS / 8 BRONZES = 17

 

SOBRE A CBVELA

A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) é a representante oficial da vela esportiva do país nos âmbitos nacional e internacional. É filiada à Federação Internacional de Vela (World Sailing) e ao Comitê Olímpico do Brasil (COB). Tem o Bradesco como patrocinador oficial, o Grupo Energisa como parceiro oficial e patrocinador oficial da Vela Jovem e a Richards como apoiadora oficial. A vela é a modalidade com o maior número de medalhas de ouro olímpicas na história do esporte do Brasil: sete. Ao todo, os velejadores brasileiros já conquistaram 18 medalhas em Jogos Olímpicos.

Flotilha Gaúcha de Hobie Cat realiza Velejada Natalina 2016

Velejada Natalina 2016 da Flotilha Gaúcha de Hobie Cat ocorreu no último sábado, 24/15 e como já é de praxe coloriu e levou felicidade e presentes a crianças carentes na Praia da Alegria em Guaíba. A flotilha reuniu os presentes e saiu do Clube dos Jangadeiros. A ação contou com a presença do vice-comodoro de Patrimônio do Veleiros do Sul André Huyer.

 

Família Schurmann retorna ao Brasil, na Marina Itajaí, após volta ao mundo

No último sábado, 10, a Marina Itajaí, em Santa Catarina, foi palco para a recepção da Família Schurmann que retornou da volta ao mundo de 812 dias – a Expedição Oriente. No local, foi montada uma estrutura para receber os tripulantes e contou com a participação de 2,3 mil pessoas, segundo a organização do evento. A chegada do veleiro Kat aconteceu às 15h 25min e foi aplaudida e comemorada por familiares, amigos, imprensa, fãs do esporte e da náutica em evento aberto ao público.

“Foi em Itajaí que nasceu nosso Veleiro Kat e estamos muito felizes em poder retornar. Foram 2 anos e 2 meses em alto mar. Visitamos lugares belíssimos,” disse o capitão Vilfredo Schurmann logo após a sua chegada na Marina Itajaí.

“Itajaí passou a ser nossa casa. Nosso veleiro Aysso já está ancorado aqui e durante o período em que o Kat ficar em Santa Catarina, também ficará na Marina Itajaí,” explica David Schurmann, diretor e produtor cinematográfico, responsável pelo planejamento e desenvolvimento da Expedição Oriente.

Para David Schurmann, a Marina Itajaí também oferece segurança e comodidade aos navegadores. “A Marina Itajaí é exemplo de estrutura com padrão internacional. Os trapiches são perfeitos e seguros, é um local protegido para deixar seu barco. Além disso, está no centro da cidade, o que para os navegadores em geral é algo muito positivo. Foram poucas as estruturas que vimos pelo mundo em que se tem algo parecido de tão fácil acesso para chegar e usufruir das atrações da cidade e seu entorno,” reforça.

Para o diretor operacional da Marina Itajaí, Carlos Oliveira “é uma grande honra receber a Família Schurmann e seu Veleiro Kat. Também é uma grande satisfação para a Marina Itajaí sediar grandes eventos náuticos como este e contribuir para o fortalecimento do polo náutico na cidade. Além da localização estratégica privilegiada, a escolha pela Marina Itajaí também justifica a nossa atenção à qualidade da estrutura e serviços prestados”, conclui.

Polo Náutico do Brasil

A Marina Itajaí consolida o município como Polo Náutico brasileiro, segundo a Secretária de Turismo da cidade catarinense, Valdete Campos. “A Volvo Ocean Race despertou o potencial náutico de lazer em Itajaí. A chegada da Marina Itajaí fortalece essa característica da cidade e consolida o trabalho do município de fortalecer o turismo náutico. Além disso, as pessoas podem visitar a Marina Itajaí, pois ela é aberta ao público. É um lugar que possui um visual incrível, perfeito para lazer e contemplação da paisagem.”

Aventura pelo mar

“Um capitão não faz nada sem uma boa tripulação e se não houver o espírito de equipe. Enfrentamos muita dificuldade, ventos de até 100 km/h e ainda assim todos permaneceram muito firmes,” comentou o capitão Vilfredo Schurmann ao lado da esposa Heloísa Schurmann.

Momentos emocionantes marcaram a Expedição Oriente, como assistir de perto ao espetáculo das baleias na Ilha Moorea, na Polinésia Francesa, as paisagens encantadoras da Antártida e a chegada ao porto da China. A tripulação também se impressionou com a grande quantidade de lixo encontrada em alto mar, especialmente na Ásia e alertaram sobre a necessidade de medidas de proteção ambiental. 

“Procuramos fazer a nossa parte. Dentro do Kat temos uma compactadora de lixo. O que nos permitiu produzir em 18 dias, sendo que estávamos em oito pessoas, um saco de lixo seco. Se cada um fizer um pouco poderemos ter mais esperança ao meio ambiente”, disse um dos tripulantes, Wilhelm Schurmann.

Família inspira outros velejadores

Mídia Silvestrini e Jorge Alberto Silvestrini vieram de Lages, SC, para participar do evento da chegada da Família Schurmann na Marina Itajaí. Após acompanharem a trajetória através da televisão e internet, o casal foi convidado para recepcionar a tripulação com o barco de apoio.

“Mesmo morando em Lages não poderia perder esse momento. Amo a Família Schurmann e tudo o que eles representam. Acompanhamos o processo de construção do Veleiro Kat e, depois disso, acabei me tornando uma das figurantes do filme “O pequeno Segredo”. Os conheci pessoalmente durante um evento náutico realizado aqui em Itajaí. Tinha que estar aqui para recepcioná-los. A emoção e a expectativa para esse encontro é muito grande”, relata  Mídia Silvestrini.

Jorge Alberto Silvestrini além de engenheiro é velejador há 45 anos. “Sofri um naufrágio em 2014. Fiquei 36 horas a deriva. Foi uma experiência intensa e mesmo assim não desisti de navegar. A Família Schurmann serve de inspiração para todos nós pela sua determinação e espírito aventureiro. Através do exemplo deles e da assessoria que estão me dando estou me preparando para daqui há 6 ou 9 anos, viver a bordo de um veleiro”, conta Jorge Alberto.

Mais informações: http://www.expedicaooriente.com.br/

Sobre a Marina Itajaí

Inaugurada em dezembro de 2015, a Marina Itajaí está localizada no centro da cidade catarinense de Itajaí – na Rua Vereador Carlos Ely Castro n° 100, ao lado do Centreventos, - sendo um importante polo náutico, naval, turístico e industrial. A marina oferece atualmente 320 vagas, sendo 155 vagas secas e 165 vagas molhadas que comportam desde pequenas embarcações até iates e veleiros com mais de 120 pés. Modernos equipamentos como Fork Lift para até 12 toneladas e Travel Lift para até 75 toneladas, são um diferencial na sua configuração; ainda há posto de combustível com bandeira BR sendo a única marina no sul do país com Diesel Verana. Possui heliponto exclusivo além de opções de lazer como espaço gastronômico  e amplo estacionamento como parte de sua estrutura.

 Mais informações: www.marinaitajai.com

 

Conheça o projeto e colabore com a Ecobarreira do Arroio Dilúvio

Fonte: SafeWeb

A TECNOLOGIA EM PROL DO MEIO AMBIENTE

O Arroio Dilúvio, que nasce em Viamão e corta Porto Alegre, sofre muito com o acúmulo de lixo em seu percurso até o Guaíba. Apenas em 2014 foram retiradas 200 toneladas de materiais como pneus, garrafas pets, sacolas plásticas e até mesmo sofás. Não é preciso ser um especialista para saber o quanto isso é prejudicial para o meio ambiente. Foi pensando em reduzir este impacto que a Ecobarreira Arroio Dilúvio Safeweb foi concebida.

A ideia da construção de uma barreira ecológica em Porto Alegre veio depois do vice-presidente da Safeweb, Luiz Carlos Zancanella Junior, assistir um vídeo do YouTube de um projeto similar, em Baltimore, nos Estados Unidos, em 2014.

A Safeweb é uma empresa de tecnologia que, desde a sua fundação, tem uma preocupação com o meio ambiente e uma forte ligação com Porto Alegre e com o Rio Grande do Sul. Esses fatores, somados com a criatividade e a vontade de colaborar com o crescimento sustentável da cidade em que está sediada, fizeram com que a Ecobarreira saísse do papel.

Com a colaboração do professor Gino Gehling, engenheiro ambiental responsável pelo funcionamento da barreira, a ideia foi levada à prefeitura de Porto Alegre, que aprovou o projeto juntamente com o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) e do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP).

Assim, a Ecobarreira Arroio Dilúvio Safeweb começou a ser construída no dia 26 de janeiro de 2016 e iniciou a operar em 28 de março do mesmo ano — sem nenhum gasto para os cofres públicos. A Safeweb pagou, sozinha, o custo para implementação da Ecobarreira, de R$ 250 mil. A empresa também é responsável por arcar com R$ 25 mil todos os meses, referentes à manutenção.

 

Mas como funciona a Ecobarreira?

A obra consiste em uma barreira ecológica composta por ilhas flutuantes, que ajudam na limpeza da água, e uma espécie de grade, que irá conter resíduos sólidos até 20 centímetros de profundidade. Depois de coletado, o lixo é recolhido pelo DMLU, que faz o descarte do mesmo no aterro sanitário, como todo esses resíduos recolhidos são poluídos, não podem ser reciclados.

Após sete meses operando, a Ecobarreira Arroio Dilúvio Safeweb já ultrapassou a marca de 100 toneladas de lixo flutuante recolhido. A média é de cerca de 350 quilos recolhidos semanalmente pela barreira. Devido aos resultados, a iniciativa recebeu alguns prêmios como o de Boas Ideias em Sustentabilidade da Virada Sustentável, o prêmio SINEPE/RS 2016 na categoria Responsabilidade Social e Destaque Ideias para Cidade na categoria Inovação da Unisinos.

Apesar do reconhecimento, a Safeweb entende que o ideal é que a Ecobarreira deixe de existir um dia. Porém, isso só será possível com a conscientização e colaboração da população — a quem mais prejudica a atual situação do Arroio Dilúvio.

Assim, com o intuito de alertar e engajar a população para esta causa, e tentar amenizar o impacto ambiental causado por todo esse volume de lixo o retirado. Criamos um financiamento coletivo através do site de crowdfunding Kickante com o objetivo de arrecadar 300 mil reais para adquirir um triturador para a Ecobarreira, com esse ele vai ser possível diminuir o volume que esse lixo descartado ocupa no aterro sanitário.

COLABORE COM A ECOBARREIRA!  www.kickante.com.br/ecobarreira

Siga o projeto no Facebook!